O LAGO DE CORUPUTUBA

A foto acima obtive em 1967 com a minha antiga Bieka. É o lago da Fazenda Coruputuba, em Pindamonhangaba.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Professor Oswaldo Collus e o Teorema de Pitágoras



Nos anos do “ginásio”, como se dizia antigamente (hoje seriam as quatro últimas séries do Fundamental), sofri com a Matemática. Não entendia as lições, e ficava indignado com isto, porque no curso primário tinha ido muito bem nessa matéria. Acontece que estavam sendo apresentadas a mim a aos meus colegas uma série de equações, inequações, teoremas e regras: era a álgebra. No primário tinha sido somente a aritmética.
Durante três anos tive aulas com um professor que certamente sabia muito da matéria, mas nada conhecia sobre a arte de ensinar. Ditava exercícios, mandava resolver as questões do livro, corrigia, dava notas baixas. Mas dava notas altas quando o time dele ganhava – e, infelizmente, ele torcia para um time muito fraco. Também dava notas altas quando, por ocasião do aniversário dele, a gente fazia uma festinha com bolo, refrigerante, parabéns...
No início de nosso último ano do ginásio, apareceu um novo professor, que certamente também sabia a matéria, mas não nos ensinava direito. Um dia, diante de um exercício complicado, disse a ele: “ – Professor, não entendi o exercício!” Ao que ele, sorrindo, me respondeu: “ – Não é para entender mesmo...”
Depois das férias de julho, trocou de novo de professor. Agora, era o Professor Oswaldo Collus. Na primeira aula, ele nos perguntou sobre nossas dificuldades. Quase todos falaram sobre o Teorema de Pitágoras. Porque vivíamos repetindo uma frase que parecia uma reza, um mantra, que não entendíamos, mas sabíamos de cor: “O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos”. Ou, na versão reduzida, “a²=b²+c²”. 
O Professor nos disse: “É simples”. Foi à lousa, com o giz desenhou um triângulo retângulo com catetos medindo 3 e 4, e com hipotenusa medindo 5. Traçou um quadrado a partir do cateto menor (3X3=9); um quadrado a partir do cateto maior (4X4=16) e, finalmente, um quadrado a partir da hipotenusa (5X5=25). E nos disse: “O quadrado da hipotenusa (no caso, 25) é igual à soma do quadrado dos catetos (no caso, 9+16).
A classe inteira, em uníssono, soltou um “Ah!!!...” Hoje, eu sei que aquela exclamação era um misto de surpresa e de revolta. Surpresa, com a simplicidade do bendito teorema. Revolta, com o fato de termos sido durante tanto tempo submetidos a uma Matemática feita de frases cabalísticas, que não tinham correspondência com o mundo real.
A partir daí, a classe inteira se deu bem com a Matemática, explicada de maneira tão singela. Aprendi a fazer cálculos sempre através de desenhos. Mais tarde, já lecionando, procurei facilitar a compreensão dos meus alunos através de demonstrações gráficas. E nunca me esqueço de como isto começou, nunca me esqueço de quem fez com que eu passasse a gostar de fato da Matemática.
Professor Oswaldo Collus: um mestre de profunda sabedoria – e de persistente gentileza para com seus discípulos.
*   *   *

Texto de Paulo Tarcizio da Silva Marcondes
Desenho de Pitágoras de Samos